quinta-feira, 30 de maio de 2019

MAÇÃ ― DA ÁSIA OCIDENTAL AO "CONTINENTE"



No tempo em que é mencionado na Bíblia, o fruto proibido ainda não existia. Mesmo que Adão e Eva tenham vivido, o tal fruto do paraíso não poderia ter sido uma maçã. A popular fruta que conhecemos hoje é resultado de domesticação realizada muito tempo depois da “criação do mundo”.
Se hoje temos esse alimento em fartura nos supermercados e feiras, é graças à Rota da Seda – caminhos de mercadores na antiguidade, comprando e vendendo produtos de um ponto a outro, entre o extremo leste da Ásia e a Europa. Esse comércio, o primeiro movimento de globalização da humanidade, foi iniciado há cerca de 4,5 mil anos – e teve os seus mais intensos momentos a partir do século 3 a.C.
De acordo com um estudo desenvolvido pelo Instituto Max Planck, da Alemanha, e publicado esta segunda-feira pela revista especializada Frontiers in Plant Science, foi nesse período que a maçã deixou de ser uma fruta pequena, selvagem e pouco atraente para, por meio de processos de enxertos e selecção das árvores cujos frutos eram mais graúdos e apetitosos, se transformarem numa das frutas mais populares do mundo.
Assinado pelo director do Laboratório de Paleoetnobotânica do instituto alemão, Robert Spengler, o estudo baseia-se em investigações arqueológicas recentes de sementes de maçã antigas preservadas na Europa e na Ásia Ocidental e na combinação dessas informações com dados genéticos da fruta.
O cientista confirmou que a maçã, na sua versão selvagem, era um fruto pequeno e pouco atraente. A sua selecção e transformação num alimento popular deve-se a dois factores: a megafauna europeia que floresceu depois da última Era do Gelo, há 20 mil anos, e o trabalho dos mercadores da Rota da Seda.

---

Sem comentários:

Publicar um comentário