quinta-feira, 28 de junho de 2012

EX/CITAÇÕES

.


Falava ontem de citações a respeito de Arquimedes e da finalidade dos fenómenos naturais, ou da provável ausência dela. Pode ter ficado a ideia que não gosto de citações, mas não: sou um admirador militante de citações por vários motivos.
Primeiro, porque representam muitas vezes pontos de vista originais e inteligentes sobre factos comuns. Depois, porque são quase sempre sínteses bem conseguidas. Finalmente, porque a forma é frequentemente  excelente - flashes literários de primeira água.
Quando se diz que "Ajuda internacional é um empréstimo dos pobres dos países ricos aos ricos dos países pobres", está lá tudo. E que "Revolução é uma opinião apoiada em baionetas", ou que "Leva muito tempo a tornarmo-nos jovens", também.
Mas o que mais se aprecia é a forma. Por exemplo, Yo soy yo y mi circunstancia, escreveu Ortega y Gasset. O brilho está na forma e isso explica as ene vezes que a frase foi e continua a ser reproduzida em todas as línguas.
No fundo, o pensamento não traz nada de novo nem é assim tão profundo.  Diz apenas que somos o fruto do património genético, expresso no temperamento, e da experiência da vida. Mas duas coisas são geniais na expressão: a síntese perfeita e o estilo literário superior.
Dizer que somos o que a natureza fez de nós na forma de "eu sou eu", e chamar à experiência "minha circunstância" é de mestre: brilho de supernova.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário