terça-feira, 16 de dezembro de 2014

O BEIJO DE COSTA

.

[...] António Costa, enquanto líder do PS e ex-ministro de Sócrates, já deveria ter ido a Évora há muito tempo. Entre o socialista descerebrado que se põe a proclamar a inocência de Sócrates em frente à prisão, e o eterno fiel que agora não se atreve a meter um pé no Alentejo, há um vasto território para ser habitado por gente decente. Nada obriga Costa a responder aos jornalistas com mais palavras do que aquelas que foram usadas por António Guterres: “Fui visitar um amigo.” Isso chega perfeitamente. Visitar Sócrates não significa ser cúmplice dele; não o visitar, ao mesmo tempo que se proclama a sua amizade, tem perigosas ressonâncias pascais: “Amigo, com um beijo me trais?” António Costa tem de ter cuidado. Há um momento em que muito calculismo passa a ser calculismo a mais.

João Miguel Tavares in "Público"
.

Sem comentários:

Publicar um comentário