sábado, 28 de março de 2015

SER VIOLENTO

.
A violência é um fenómeno transversal observado praticamente em todos os seres vivos. O lobo é violento com a ovelha porque precisa de se alimentar; o touro é violento com outros touros para assegurar o direito à procriação; a bactéria é violenta com o animal ou planta que infecta para poder viver; o fungo é violento com o mamífero em que se instala porque é parasita obrigatório e por aí fora. A violência está instalada nos reinos vivos da Terra como fenómeno inevitável, indispensável à sua existência e, mais preocupante que tudo, pré-programada. Não sabemos se existe vida alienígena mas, mesmo existindo, é provável poder considerar-se o acto  violento como parte do plano do universo—circunstância no mínimo inesperada, se não mesmo inquietante.
O homem, com consciência da violência, pratica-a diariamente. O que dá para pensar é o facto de, sendo o único ser vivo com tal consciência, ser também o único que a usa desnecessariamente. A violência humana à margem da necessidade de sobrevivência decorrerá dessa mesma consciência—fonte da avidez de poder, de bens materiais, de espaço e por aí adiante.
O limite entre a violência exigida pela conservação da espécie e a violência vitalmente gratuita é difícil de marcar, mas existe. A única forma conhecida de fazer respeitar tal limite é a educação. Falível! Muito falível! Também aqui o plano do universo é fraquinho. Matéria boa para reflectir em noites de insónia.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário