quarta-feira, 28 de março de 2018

ALIMENTOS GENETICAMENTE MODIFICADOS — "JAMÉ" ?!!!...

.. 
..
Há 5 anos, havia no mundo 775 milhões de pessoas com fome e sub-nutridas. Hoje há 815 milhões, apesar da terra necessária para alimentar cada pessoa ter caído para metade e no último meio século as florestas continuarem a ser abatidas para dar lugar à cultura de bens comestíveis. A humanidade, é mais que claro, precisa de arranjar meio de cultivar mais, em menos espaço e com menos água, e as espécies geneticamente modificadas poderão ter papel importante nesse sentido. 
O referido foi apresentado em Janeiro na Oxford Farming Conference por Mark Lynas, outrora um inimigo do geneticamente modificado, tão convicto que chegou a ser preso por tentar raptar Dolly, a ovelha clonada — não há nada que mude mais que os tempos, noção que nenhum homem aprende.
Lynas já começou a aprender e, aparentemente, está a embalar no sentido oposto, o que também pode ser perigoso. Hoje é um fervoroso defensor do Brexit, só porque isso irá libertar a Grã-Bretanha das limitações do que chama "posição anti-científica de Bruxelas" e permitir lançar nova revolução agrícola.
Há 20 anos, haveria razão legítima para algumas perguntas relacionadas com as culturas geneticamente modificadas. Já foram respondidas. Não afectam a saúde dos consumidores, embora globalmente, no aspecto ambiental, constituam ameaça para a biodiversidade.
Segundo Lynas, a posição da Comissão Europeia é um excesso de zelo baseado na propaganda e não na Ciência.

Who knows?

.
.
Arroz dourado
.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário