domingo, 18 de março de 2012

CAMINHO DE CABRAS

.
António Costa, edil e Presidente da Câmara de Lisboa, escreveu um livro, de seu nome “Caminho Aberto”. É, seguramente, obra apurada, que não faço o mais ínfimo propósito de ler. São, estou certo, 447 páginas palpitantes, mas não tenho robustez física para tanto caminho.
A peça foi apresentada na Estação do Rossio, com a presença da fina flor republicana, na Sala do Rei, o que não acho bem: calha mal a um republicano dos quatro costa(dos) frequentar aposentos do rei. Não há por essa Lisboa fora uma Sala do Presidente da República para estes efeitos?
...
PS – Esquecia-me de dizer que também não devia ser na Estação do Rossio, porque foi ali que José Júlio da Costa, avô do António, abateu sumariamente a tiro Sidónio Pais, em 14 de Dezembro de 1918, nos tempos da saudosa Primeira República e da sua decantada ética.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário