segunda-feira, 26 de março de 2012

VIVA O BENFICA!

.
.
John von Neumann e Oskar Morgenstern

Um jogo de soma zero é aquele que o ganho de um lado é igual à perda do outro, de tal modo que o somatório das perdas e ganhos é nulo. Acontece no desporto: Benfica ganha ao Porto por 3-2, logo ganhou um e o Porto perdeu 1 – soma zero; Olhanense vs Benfica 0-0, ninguém ganhou nem perdeu – soma zero.
Mas há jogos de soma não nula: um agricultor dá a outro leite e batatas que tem em excesso e recebe dele cenouras e milho, também eles em excesso: a soma de perdas e ganhos, se o negócio é bem feito, não é nula e é positiva. No fundo ganham os dois - é o sistema “ganho-ganho”. Mas o casal em divórcio litigioso, em que cada um quer mais, gasta um dinheirão com advogados e justiça e, no fim, qualquer que seja o resultado, perdem os dois – jogo de soma não nula negativa, ou sistema “perda-perda”.
É isto uma laracha? Parece, mas não é! John von Neumann e Oskar Morgenstern descreveram a Teoria Matemática dos Jogos, em 1944, que foi um sucesso abraçado com ambos os braços pela Economia, Política, Sociologia, Psicologia e até, vejam lá, pela Biologia Evolucionista, entre outras disciplinas. Os conceitos “soma zero”, “soma não-zero”, “soma positiva”, “soma negativa”, “soma constante” e “soma variável” tornaram-se de uso corrente nas mais variadas e inesperadas áreas do saber.
Na Política, a teoria desempenhou papel de relevo na paz mundial, ao demonstrar a estupidez das guerras entre grandes potências, jogo claramente de soma não-zero, negativa e constante. Nas relações pessoais, criou correntes que, sem citar a teoria - até sem a conhecer - instilaram nos encéfalos a necessidade de ter comportamentos avaliadores dos ganhos e perdas dos actos, dando lugar à segurança, à harmonia, ou à prosperidade, eventualmente a tudo isso. E os biologistas John Maynard Smith e  Eörs Szathmáry constataram que, na evolução darwiniana, a Teoria Matemática dos Jogos era nítida. A selecção natural dos mais aptos apurou sempre os que jogavam na natureza o jogo de soma não-zero, de soma positiva, e de soma-constante. Não cabem neste espaço os métodos de genética bacterina que usaram, assim como os estudos da reprodução sexual e das sociedades animais, onde não são permitidos comportamentos de exploração por grupos, em prejuízo do colectivo.
Vejam lá onde chegámos, a partir do Benfica que nunca devia ter empatado em Olhão, deixando fugir o pássaro que podia ter agora na mão! Rima e é verdade. Benfica, soma-zero sempre; mas sempre a ganhar. O maior!
...
PS - John von Neumann e Oskar Morgenstern eram do Benfica!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário