quinta-feira, 29 de março de 2012

TEORIA DE PEIRCE

.
Charles Sanders Peirce, num dia de inspiração, disse esta coisa: “Os factos não podem ser explicados por hipóteses mais extraordinárias que eles próprios; e, de todas as hipóteses possíveis, deve escolher-se sempre a menos extraordinária.” Ganda Peirce, estou contigo! É o Princípio da Melhor Explicação, chamemos-lhe assim, porque com as maiúsculas fica muito mais respeitável. E quero acrescentar que, apesar de usar tom jocoso, acho o Princípio de Peirce fundamental em qualquer vida.
Do simples para o complicado. São 7 horas da tarde, a mulher está em casa e ouve alguém abrir a porta e entrar. Que pensa a mulher? Um milhão, oitocentos e trinta e cinco mil, duzentos e quarenta e seis pensamentos são possíveis. Que digo eu?!!!... Muitos mais!!!... Por exemplo, são almas do outro mundo; ou, é o Professor Cavaco que vem visitar-me; ou, é a mulher a dias que quer pôr-me a par do divórcio; ou, é o Zézito que chegou de Paris e vem pedir-me dinheiro emprestado; ou, é o meu marido que regressa do trabalho; ou, blá, blá, blá. Naturalmente que está mesmo a ver-se qual é a hipótese menos extraordinária, embora a do Zézito possa ter alguma verosimilhança.
No dia a dia, todos sabem aplicar muito bem a Teoria de Peirce. Ou melhor, quase todos. Mas há coisas em que a aplicação não é tão fácil. Imaginemo-nos em 1969, quando o homem foi a primeira vez à Lua. Um fulano regressado da selva, onde andou a missionar durante anos sem ouvir falar da NASA, chega a casa e encontra a família a ver na TV a transmissão da alunagem. Pergunta o que é aquilo e, à resposta de que é o homem a chegar à Lua, sente-se gozado. A explicação neste caso é a mais, e não a menos, extraordinária. Para ele, provavelmente, aquilo passa-se num estúdio de Hollywood – afinal, tudo é relativo e o missionário não gosta de chacota.
Mas a dificuldade da Teoria de Pierce é ainda maior nos tempos que correm com essa coisa da Física Teórica, e era aqui que queria chegar. Ouvimos falar de quarks, de leptões, de bosões, da partícula de Deus, e simultaneamente de Higgs, do gravitão, da Teoria das CORDAS (!!!!!!!!) que não são de violino, e por aí fora. Ninguém vê as partículas, nem as forças, nem as cordas - há uns janotas a trabalhar em aceleradores de partículas que escaqueiram protões, dizem eles, e percebem o que está nos cacos daquela cangalhada: que são hadrões, leptões, quarks, bosões, blá, blá, blá. Para eles, a explicação é a menos extraordinária. Mas, e eu?! Para mim, é a mais extraordinária! Isto é, não posso ser como S.Tomé: tenho que acreditar sem ver! Anda cá abaixo Peirce e vem dar uma ajuda ao pessoal que não estudou Física Teórica. E tu, que também eras físico, diz-nos se estão a meter-nos os pés no bolso. Embora receie que a tua Física já esteja um nadinha démodé.

Sem comentários:

Publicar um comentário