quinta-feira, 22 de março de 2012

O "NADO-MORTO" MORREU

.
O projecto megalómano e nado morto do TGV, mantido vivo com meios artificiais de suporte da vida por esse irresponsável sem classificação taxonómica chamado Zézito, morreu oficialmente. O Tribunal de Contas passou a certidão de óbito e o Ministério da Economia mandou proceder à respectiva inumação pela Agência Servilusa, sem funeral oficial e dentro do maior recato.
Na realidade, não se entende como um aborto assim pode ter sido concebido, ainda que só teoricamente, na cabeça de gente também à procura de posição na escala taxonómica. Portugal é um País com alguns milímetros quadrados à escala internacional, e com necessidades modestas de ligação ferroviária expedita para Espanha. Se tivesse sido o Homo sapiens a decidir sobre isso, teria optado simplesmente por uma linha vocacionada para o transporte de mercadoria, com a bitola correcta, no local correcto, de preço correcto, e viabilidade económica correcta. Entregue a provincianos parolos, aspirantes a novos ricos, deu bota e acabou tudo em águas de bacalhau.
E porque são as coisas assim neste País abençoado pelo Todo Poderoso? São assim porque ser sensato é ser miserabilista, é pensar curto, é não “deixar obra”. A saloiada geral portuguesa de “deixar obra” vem silenciosamente minando a Nação como a formiga branca há séculos, mais nas últimas décadas. É o TGV, são as auto-estradas, as rotundas, os pavilhões “gimnodesportivos”, as piscinas municipais, os estádios de futebol, os códigos da Justiça, o acordo ortográfico, a reforma do ensino, blá, blá blá. Todos querem deixar pegada por onde passam, mas o que lá fica é a marca duma ferradura cavalar, com desculpa aos equídeos pela comparação.
Salvai-nos Senhor do pecado, não nos deixeis cair em tentação e, sobretudo, livrai-nos da “obra feita”. Sobretudo isso!

Sem comentários:

Publicar um comentário