terça-feira, 28 de agosto de 2012

EUGENIA

.


Na semana passada, apareceu na revista "Nature" um artigo sobre as mutações observadas no genoma humano, em função da idade dos progenitores — ou seja, de que modo a idade dos pais determina a probabilidade de ter características genéticas diferentes nos filhos, através de mutações que condicionam doenças como o autismo, a esquizofrenia e outras coisas mais.
Todo o ser se desenvolve a partir dum ovo formado por um óvulo feminino fecundado por um espermatozóide masculino — metade do genoma do ovo é de origem feminina e a outra metade de origem masculina, portanto.
A mulher nasce com o número de óvulos de que vai precisar durante a idade fértil, óvulos esses que já não se dividem mais. A probabilidade de ocorrerem mutações no genoma dos filhos a partir do óvulo materno é assim pequena. No homem, as células reprodutivas, os espermatozóides, estão em permanente multiplicação durante a fertilidade e cada multiplicação é oportunidade para ocorrerem mutações. Quantas mais oportunidades, mais mutações — logo, o homem vai acumulando mutações ao longo da vida. Por isso, a maioria das mutações nos filhos são da responsabilidade do pai.
Por outro lado, as mutações podem ser benéficas ou prejudiciais, mas mostra a experiência que são maioritariamente prejudiciais.
Como os homens vivem mais tempo agora e se reproduzem até mais tarde, por razões sociais principalmente, podemos concluir que o homem está a contribuir para degenerescência da espécie. Isso mesmo concluiu o estudo referido da "Nature", ao demonstrar que as crianças com autismo e esquizofrenia são principalmente filhas de pais (homens) mais velhos.
A eugenia está muito mal vista, especialmente depois da eugenia nazi. Acho que há eugenia e eugenia e, no caso vertente, parece elementar, pelo menos, divulgar os riscos do homem procriar a partir de certa idade — eugenia sem imposições, ou limitações; mas eugenia através da informação.
..

Sem comentários:

Publicar um comentário