quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

O FILÓSOFO DA TERRA PLANA

.


Fernando Belo, o filósofo de que já falei a propósito de um texto publicado há tempos no "Público" em defesa da homeopatia, volta hoje "à carga" com outra peça, resposta a Carlos Fiolhais e David Marçal, autores duma crítica ao texto mencionado.
Depois de mencionar que fez uma licenciatura em Engenharia Civil antes de se tornar filósofo, o que aumenta a sua razão em defesa do obscurantismo consubstanciado na homeopatia, Belo faz considerações históricas sobre a relação entre a Filosofia e a ciência. Não chega a Demócrito e ao átomo, mas anda lá perto, sem se perceber ao que vem tal conversa.
Argumenta em seguida que há "soluções empíricas de questões que não se entendem teoricamente" e cita a máquina a vapor, só compreendida teoricamente—com a termodinâmica—um século depois da descoberta. Aqui, Belo começa a derrapar porque a máquina a vapor, embora não explicada teoricamente pelos físicos, funcionava. A homeopatia nem tem explicação, nem funciona—é esse o problema. Quando se aplicam regras correctas para aferir o efeito terapêutico de qualquer prática, há umas que se mostram boas ou sofríveis e outras que não prestam: é o caso da homeopatia que não presta. A homeopatia vive de histórias avulsas, ou seja, da  descrição de casos mal esclarecidos e contados, cujos resultados o são ainda menos, como o da queda de cabelo, que narra no primeiro artigo, de uma sua familiar, sem que se perceba que alopecia era aquela e qual foi o critério para avaliar o resultado terapêutico. Não sei se Belo acredita em milagres, mas deve acreditar porque a maior parte deles são casos semelhantes às curas da homeopatia.
Sai depois em defesa de Benveniste e serve-se duma prática péssima em ciência, imprópria de quem—apesar de tudo—fez uma licenciatura em Engenharia: o argumento de autoridade. Belo invoca Luc Montagnier, que ganhou o Nobel e defendeu Benveniste. Tal e qual! Aristóteles e Ptolomeu também defenderam o geocentrismo. E ainda há quem acredite na Terra Plana. 
Fernando Belo lecciona na Faculdade de Letras de Lisboa. Assim se afere a qualidade de alguns professores universitários em Portugal. Não se esperava que Belo soubesse o que quer que fosse de terapêutica médica, de Farmacologia, de ensaios terapêuticos e larachas do género. O que se esperava era que calasse a boca sobre coisas de que não sabe nada. E também que não se comportasse como os peregrinos da Santa da Ladeira. Óh égua!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário