terça-feira, 18 de abril de 2017

DE FAZER INSÓNIAS!

.

Chama-se João Lemos Esteves (não é da família de Marcelo, que eu saiba) e leio na Wikipedia que é licenciado e mestre em Direito, docente na Universidade de Lisboa. Escreve no jornal i, tanto quanto percebo, e parece que é do PSD, provavelmente da ala direita. Não escreve como Eça, mas escreve bem. É contundente com a esquerda e dos tais que bate onde dói, o que é sempre uma porra, com vossa licença. Digo isto porque os comentários aos seus artigos são escritos a quente, logo a seguir à leitura, ainda com as nódoas negras em fase prodrómica e cheiro intenso a PCP, BE e PS, mais para o "lado Galamba".
Hoje li uma peça dele intitulada "Sabe quem é o único político português que ansiava por Donald Trump?", onde diz a páginas tantas o seguinte sobre António Guterres:

[...] E é determinantemente um indeterminado: António Guterres prefere uma má decisão que agrade (ainda que parcialmente) a todos a uma boa decisão que, num primeiro momento, desagrade a alguns. António Guterres segue sempre a política fácil, mesmo quando os momentos são difíceis.
E como esquecer a expressão mítica que tão bem caracteriza o período guterrista da história política portuguesa? O pântano: o próprio António Guterres, em 2001, confessou que se ia embora porque ele próprio transformou Portugal num “pântano”.
Curiosamente, António Guterres chega a secretário-geral da ONU no mesmo momento histórico em que Donald Trump é eleito presidente dos EUA, com o lema “drain the swamp”.
“Secar o pântano” – Donald Trump chegou a Washington prometendo secar o pântano, convivendo, assim, com o secretário-geral da ONU que ficou conhecido por se demitir das funções de primeiro-ministro de Portugal…porque transformara Portugal num autêntico “pântano”. Para alguém que é especialista em criar “pântanos”, não deixa de ser uma excelente notícia ter um presidente dos EUA que promete evitar e secar o “pântano”… O destino é mesmo uma coisa muito tramada: às vezes, parece que a vida é escrita pelo génio de Woody Allen.

Ninguém pode imaginar a fúria que isto desencadeia em indivíduos alegadamente bons chefes de família, alguns talvez mesmo do Benfica, que sabem escrever Português — um deles faz mesmo a análise ortográfica e sintáctica do texto! — e o ódio que se adivinha naqueles comentários. Gente "democrática" que só de pensar que poderiam um dia chegar ao poder tira o sono, o apetite, a alegria de ver um bom jogo de futebol, ou o prazer de ouvir um discurso de Kim Jong un ou Jerónimo a dissertar sobre "política patriótica e de esquerda"!
Cruzes canhoto! Disso já provámos no PREC! Mais não!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário