sábado, 28 de julho de 2012

DISCURSO DE ENCHER CHOURIÇOS

. 
.
[...] Antes de ser eleito, Passos Coelho tinha uma receita clara sobre onde cortar nas gorduras do Estado. O então líder do PSD fez questão de estar no debate da primeira Grande Investigação DN, em que pela primeira vez em Portugal se fez o levantamento do número de organismos públicos, institutos e fundações. Defendeu nessa altura que era cortando e fundindo estes organismos que se poupariam milhares de euros e se daria o primeiro grande passo para saciar o monstro e travar os jobs for the boys. Depois, havia que renegociar as PPP. Repetiu a ideia no programa eleitoral. Repetiu-a no programa do Governo. O problema está em que continua a repeti-la um ano depois e ainda não apresentou números nem resultados. Sempre que volta a exigência, interna ou externa, de cortar nos gastos públicos, repetem-se as ideias e as promessas. Não têm passado de meras palavras vãs. E a palavra de um político devia valer mais que isso.

Filomena Martins in "Diário de Notícias"
.....

Sem comentários:

Publicar um comentário