quarta-feira, 25 de julho de 2012

INTELIGÊNCIA COLECTIVA

.
.
É comum a convicção de que o avanço civilizacional depende, antes de tudo, de grandes cabeças, tipo Sócrates (o próprio!), Platão, Euclides, Newton, Einstein e por aí fora. É parcialmente verdade isto, mas em parte pequena. A inteligência individual é justamente celebrada e estimada e constitui critério para selecção de governantes devia consistir, melhor dizendo —, gestores, economistas, professores, blá, blá, blá.
Mas o homem de Neanderthal, com um cérebro de 1.200 cm3 e aptidão para desenvolver capacidades como ferramenta, a língua e a escrita, finou-se — sumiu, pronto!
Onde se desenvolveu a embrionária civilização que avançou até aos nossos dias? Nas cidades estados comerciais da Grécia, Itália, Holanda; depois  Portugal e Espanha. Aí surgiu a organização social com repartição de trabalho sectorial a contribuir para a obra colectiva, mesmo sem a percepção do facto. O marinheiro que transportava um qualquer bem de longínquas paragens, o intermediário que lhe comprava o bem e vendia ao comerciante ou ao artesão, o taberneiro que comprava ao comerciante e vendia aos seus comensais, blá, blá, blá, faziam parte de uma complicada organização social de que não se apercebiam, nem  sequer conheciam o lugar que nela ocupavam — nem tal era preciso porque a natureza humana é assim. É o que podemos chamar inteligência colectiva, essa sim, o motor do avanço civilizacional que incorpora o conhecimento das inteligências individuais na estrutura da prática social.
Hoje, boa parte dos cidadãos não tem ideia clara do papel e importância da sua actividade profissional no conjunto que é o mundo. Pode perceber o que lhe é próximo, mas só isso. E, em boa verdade, não interessa. Necessário é que desempenhe bem a sua tarefa no sector que integra. O resto não sei com quem é, porque o referido aplica-se a quase todos, senão mesmo a todos que trabalham, seja no que for, mesmo nas mais altas posições hierárquicas da sociedade.
A inteligência colectiva é qualidade humana inata, genética, que determinou a nossa evolução e condicionou a sobrevivência no universo darwiniano. Não foi preciso "inventá-la".
...

Sem comentários:

Publicar um comentário