domingo, 25 de novembro de 2012

OS SINDICATOS SAEM À RUA

.
[...] A experiência portuguesa recente basta para um leigo suspeitar que quanto mais se gasta, com menos se fica. Excepto, naturalmente, quando há outras fontes de rendimento que compensam a despesa. Mas quais? Os impostos? Sempre que aumentam os impostos os sindicatos saem à rua. A ajuda externa? Esta nunca é incondicional e, perante as condições, os sindicatos saem à rua. A espoliação dos ricos? A perseguição das fortunas leva à fuga de capitais face à qual os sindicatos saem à rua. Nacionalizar tudo o que se mexa, rasgar o memorando da troika, abandonar o euro, sair da UE e viver na autogestão e na absoluta indigência durante décadas? Estou em crer que a última hipótese contentaria os sindicatos e anunciaria o Estado "social" com que o sr. Arménio sonha e que inclui: o serviço de saúde cubano (o dos nativos), o sistema de transportes da Albânia (a de Hoxha) e as regalias laborais da Coreia (a do Norte).
Se semelhantes progressos configuram uma alternativa plausível e amplamente desejada, óptimo e até à próxima. Se não configuram, convinha parar de atribuir aos sindicalistas caseiros a credibilidade que nunca mereceram e, em nome de um esboço de sanidade, deixar de os levar a sério. [...]

Alberto Gonçalves in "Diário de Notícias"
.

Sem comentários:

Publicar um comentário