sábado, 29 de novembro de 2014

HÁ PACHORRA ?

.
.
O jornalista Miguel Sousa Tavares (a quem alguns também chamam o pistoleiro do costume) sai hoje a terreiro para dar batalha à Justiça pelo modo como tratou José Sócrates Pinto de Sousa, insurgindo-se também contra Alberto Gonçalves por ter afirmado no "Diário de Notícias" que «...o cidadão comum teme que José Sócrates acabe sem castigo. Eu também».
Segundo Tavares, tudo foi feito para humilhar o Zezito e diz que «o cidadão comum e o Alberto Gonçalves podem estar descansados: pior castigo do que aquele que José Sócrates já teve é difícil».
Curiosamente, Tavares não fala—nem falou antes—da humilhação dos acusados no caso dos vistos gold, embora, tal como agora refere sobre o Zezito, ninguém, absolutamente ninguém de boa-fé, possa dizer neste momento se são culpados ou inocentes das gravíssimas acusações de que são alvo. O mesmo para as acusações ao avô dos seus netos, Ricardo Salgado.
Todo o acusado é humilhado, Dr. Sousa Tavares. Só que a humilhação é proporcional ao papel e importância que cada um tem ou teve na sociedade. O carteirista que rouba cronicamente carteiras no Metro é pouco humilhado com a acusação de ser pilha-galinhas; o Zezito e o Ricardo Salgado são muito humilhados se acusados de aldrabices. Nunca vi o Dr. Sousa Tavares insurgir-se contra a humilhação dos carteiristas depois de serem acusados e antes de serem julgados, apesar de serem feitos da mesma combinação de carbono, hidrogénio, oxigénio, azoto, ferro e por aí fora do Zezito.
Tudo é relativo e, neste caso, depende do ponto de vista e do estado de alma de quem comenta. E o estado de alma do Dr. Miguel Sousa Tavares tem dias; mas habitualmente está virado contra o que pensa a maioria porque dá um toque de lucidez e clarividência. Sobretudo de originalidade intelectual. Não há pachorra.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário