quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

A PERSPECTIVA CÓSMICA

.
.
O universo começou num ponto, dentro de uma esfera de raio zero, há quase 14 mil milhões de anos. Expandiu-se a velocidade inimaginável e assim continua, de forma acelerada, como se confirma pela observação do efeito Doppler na radiação que nos chega dos astros. Não sabemos quanto durará o processo expansivo: se será infinito; ou terá fim, observando-se então o inverso do Big-Bang, o Big-Crunch, ou Grande Colapso, provocado pela força da gravidade nos corpos celestes.
A infinitude da expansão, como toda a infinitude, é daqueles conceitos que chocam a nossa compreensão. Constitui uma abstracção admissível em teoria, mas pouco provável na realidade física ou cósmica, embora, em boa verdade, o início do Big-Bang, a partir do nada, seja coisa equivalente.
Serve isto para dizer que a eternidade futura da expansão universal se afigura pouco provável—pelo menos, para o meu encéfalo anquilosado. E, a acontecer um Big-Crunch, significará isso que o universo é—de sua natureza—igual a um foguete de lágrimas da pirotecnia. Já pensaram nisto? Que grande desperdício de meios!...
Provavelmente, tudo no universo é finito, nós incluídos. Todos, como seres possuidores de consciência individual ímpar, começámos por ser nada; ou, melhor dizendo, conjunto disperso de átomos e moléculas que se organizaram para tecer a vida que é a nossa.
A concepção é o nosso Big-Bang, seguido de expansão finita—fisicamente, até ao início da terceira década e, psicologicamente, até ao fim de quinta ou sexta década. Depois é o Big-Crunch humano—involuímos e regressamos ao nada, ou seja, ao conjunto disperso de átomos e moléculas, propriedade da natureza, que a vai usar em rochas e formas de vida diversas, incluindo a humana. Todos somos proprietários de estruturas atómicas que já incarnaram noutras pessoas, em galinhas, porcos, cordeiros, quiçá nalgum dinossauro. Essa é a reincarnação garantida. A completa, de que alguns falam, implica a reorganização total do mesmo ser através de reagrupamento de todos os seus componentes moleculares, teórica e matematicamente possível, mas muito improvável, embora se diga que tudo que é possível na natureza acontece.
Quanto à  infinitude da individualidade da consciência, teologicamente é explicada. Fora desse campo, o problema é insolúvel.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário