quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

SER COELHO

.
..
O Papa disse bombasticamente—até que enfim!—que os católicos não devem procriar como coelhos. Os crentes são seres com consciência e, ao contrário dos coelhos, conhecem o resultado de ter mais filhos do que podem criar. Se têm inteligência, é para ser usada e, por isso, o planeamento familiar é mais que legítimo. Até aqui, não há nada de novo.
O problema põe-se no modo de fazer o controlo da natalidade, pois fala-se de métodos anticoncepcionais naturais e artificiais. Salvo o devido respeito, a distinção é bizantina. Isto é, qual a diferença entre estudar a fisiologia da fertilidade feminina, servindo-nos disso para evitar a concepção, e estudar os ciclos hormonais e, através da administração de hormonas, atingir o mesmo objectivo? Nenhum dos dois procedimentos é natural—natural é o comportamento dos coelhos.
Dir-se-á que o primeiro é mais "fisiológico" porque não implica medicação. Talvez. Mas isso é um problema exclusivamente médico, relacionado com avaliações de custo/benefício e custo/eficácia. A primeira relação—do custo/benefício—será de considerar em raríssimos casos; a segunda não tem discussão. E quando falo em custo, refiro-me a custos na área dos efeitos farmacológicos adversos e não a custos financeiros. Quanto aos métodos físicos, como o preservativo e outros, não se percebe a reserva—não estamos a falar de interrupção da gravidez, ou qualquer outra prática que implique destruição da vida depois de concebida.
A questão da anticoncepção levanta-se em termos filosóficos ou teológicos—não sei bem qual deles, mas anda por aí.
Do ponto de vista de um ser religioso, parece que, se Deus deu a inteligência ao homem, é de esperar que ele a use, embora de forma responsável; e não se vê onde está a irresponsabilidade dos chamados métodos não naturais.
Para ser franco, não entendo certas subtilezas das religiões.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário