quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

É SARNA NORUEGUESA !

.


"Está disponível para divulgar o seu registo de interesses e revelar se pertence a alguma sociedade secreta de natureza maçónica no âmbito da qual tenha deveres de obediência que possam, por essa via, pôr em causa a prioridade do interesse público?” Isto foi perguntado, por duas vezes, pela deputada do PSD Teresa Leal Coelho a Adélio Neiva da Cruz na Comissão Parlamentar dos Assuntos Constitucionais da Assembleia da República quando Cruz foi indigitado para Director do SIS.
Cruz respondeu que tinha o dever de obediência à Constituição, à lei, à ética (republicana, penso eu) e à sua consciência. E também que, se o Primeiro-Ministro fez a indigitação do seu nome, é porque não lhe suscitou qualquer dúvida sobre eventuais conflitos de interesses. E ainda, blá, blá, blá. Cruz tomou posse do lugar recentemente. O extraordinário foi não ter  falado em maçonaria uma só vez. Maçonaria é tabu.
Se Cruz não pertence, devia dizê-lo—ficávamos todos mais tranquilos. Se pertence à seita, estamos mal: é maçónico escondido, talvez porque ache não ser isso bem visto—se acha, acha bem—o que não augura nada de bom.
A Maçonaria é como a sarna: entra numa casa e contagia toda a gente—não falha. O problema é que a maioria dos políticos portugueses e das pessoas colocadas em centros de decisão importantes já sofrem de sarna. E da forma mais grave, chamada sarna crostosa, ou norueguesa. Óh égua!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário