sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

EM ITÁLICO

.

Assim ninguém se entende: às terças, Cavaco Silva é um ‘salazarista convicto’, afirma o dr. Soares. Às quartas, o mesmo dr. Soares pede ao Presidente da República uma tomada de posição sobre Sócrates. Que posição será essa? Uma posição branda não serve: criticar a prisão ‘por motivos políticos’ significa dar uma canelada na separação de poderes e transformar o Estado de Direito numa farsa. É pouco. A solução devia incluir uma acção militar, com o dr. Cavaco a chefiar um pelotão até Évora com o heróico propósito de libertar o detido 44. Experiência, aliás, não lhe falta: ao contrário do dr. Soares, parece que o dr. Cavaco foi à tropa, cumprindo humildemente as obrigações da ditadura. Se o dr. Cavaco voltar a calçar as botas para salvar o prisioneiro a quem as querem tirar, talvez o dr. Soares reconsidere a sua posição e, em próxima coluna, faça um elogio sentido à ditadura pelos nobres soldados que ela formou.

João Pereira Coutinho in "Correio da Manhã"
.

Sem comentários:

Publicar um comentário