sábado, 24 de janeiro de 2015

CÓDIGOS, BULAS E INDULGÊNCIAS

.
A respeito dos métodos de planeamento familiar, agora em foco depois do Papa ter usado uma imagem que deu volta ao mundo, a da reprodução dos coelhos, Anselmo Borges escreve hoje no DN:

[...] Pessoalmente, penso que se deverá ir mais longe. Concretamente, julgo que a Igreja se não deve meter nestes assuntos. Depois, se se meter, terá de reflectir muito bem sobre o que é natural e artificial. O que é a natureza? E a natureza humana? A natureza não é fixa e imóvel. A natureza humana, embora não seja arbitrária, é histórica. Pela sua própria natureza, o homem é interventivo e transformador da natureza. A realidade toda não é estática, mas processual. Acabamos por viver num natural já artificial, numa natureza transformada: intervimos de muitos modos no nosso próprio corpo, com instrumentos médicos e artefactos. Em terceiro lugar, mesmo os chamados métodos anticonceptivos naturais, aparentemente os únicos aceites pela Igreja oficial, não são propriamente naturais. Não foi o homem que os descobriu e os utiliza, pois eles não actuam de modo cego?
Neste sentido, a Igreja precisa de uma nova atitude face à sexualidade, nomeadamente neste domínio. Era isso que pedia outro grande jesuíta, recentemente falecido, o cardeal Carlo Martini, que confessou que a encíclica "Humanae Vitae", em 1968, com a proibição da "pílula anticonceptiva", "é co-responsável pelo facto de muitos já não tomarem a sério a Igreja como parceira de diálogo e mestra", estando convencido de que "a direcção da Igreja pode mostrar um caminho melhor do que o da encíclica". [...]

Sobre isto, recordo que há dias dizia eu ser bizantina a distinção entre métodos anticonceptivos naturais e artificiais. Verifico que Borges pensa o mesmo. Salvar uma vida através da implantação dum órgão, seja de outra pessoa ou mecânico, também é artificial. É isso ilegítimo do ponto de vista ético, filosófico, ou teológico? Não parece. Porque o é a pílula? Não entendo!
Depois, chamo a atenção para o facto de que a actual agitação na Igreja Católica sobre esta matéria é a que habitualmente precede as mudanças de atitude—está na cara que, mais tarde ou mais cedo, a pílula vai ser aceite pela Igreja. Alguns crentes já nem querem saber disso e usam-na tranquilamente. Porquê, então, se mete ela nisto? Não entendo!
Com o devido respeito por todas as convicções, acho que a Igreja, ao longo da História, tem perdido grandes oportunidades de estar calada. Várias guinadas de supetão com o passar do tempo só têm contribuído para perder credibilidade. Do alto da minha inferioridade, insignificância e incompetência, digo que a igreja devia ficar-se por directivas gerais, deixando os pormenores ao critério da consciência de cada crente. A filosofia cristã—ou a religião cristã—não cabe em códigos, decretos, cartas apostólicas, diários do governo, despachos, bulas, indulgências e outras coisas burocráticas—está muito acima disso tudo.
                                    

Sem comentários:

Publicar um comentário