quinta-feira, 28 de maio de 2015

INFORMAÇÃO INÚTIL

.

A pergunta é: Como conciliar a desinformação com o direito de livre expressão? 
É claro que todos estão a pensar o mesmo: a liberdade de expressão, como todas as liberdades, tem limites; e, assim sendo, a desinformação deve ser contida.
Para isso, temos dois caminhos—talvez mais, mas não tenho a certeza—de conter a desinformação: antes ou depois de ser divulgada.
A via preventiva, actuando antes de ser publicamente expressa, configura censura. A China ainda hoje assim procede, alegando ser o meio mais eficaz de evitar a calúnia, a mentira, o insulto, o prejuízo injusto, a agressão imerecida. É clássica nas ditaduras, particularmente nos regimes comunistas. Naturalmente, serve para calar vozes incómodas por quem tem o poder de decidir o que é informação e desinformação.
A acção de contenção depois do facto consumado, é aparentemente menos propícia à arbitrariedade, mas implica o ónus da reacção de quem é vítima, podendo a vítima ser um indivíduo ou indivíduos concretos, mas também entidade dificilmente capaz de reagir, como uma crença religiosa, uma teoria filosófica, ou uma categoria profissional atacada abstractamente, o que inviabiliza quase sempre a contestação pública. E mesmo quando esta se verifica, é mais que provável que não tenha qualquer efeito corrector.
Aqui chegados, conclui-se que o melhor é não ser vítima da desinformação, situação que não está nas mãos de ninguém controlar. O melhor, em boa verdade, é ter sorte, mas não deixa de ser inquietante que seja assim.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário