sexta-feira, 19 de junho de 2015

A TENDÊNCIA É PARA PIORAR

.

Tozé Seguro—bom tipo, mas um nabo—foi corrido em pêlo, sem ética republicana e à Judas, pelo inspirado autarca de Lisboa, homem de poucas palavras e nenhuma ideia. Tozé não descolava dos incapazes da  coligação que pela graça de Deus nos governa e levou um chuto no cu por isso. Portou-se com dignidade, acrescente-se.
Costa—assim se chama o herói desta história—tomou o timão do PS em mãos e a esperança desabrochou na Ordem da Jarreteira do Largo do Rato. Em Outubro, as intenções de voto no PS eram de 45% e as da coligação 32%. Mas um líder partidário tem de falar, para falar é preciso ter ideias e ideias é coisa que escasseia na cabeça de Costa. Pressionado, contudo, pelos estrategas do partido, Costa falou. E cantou a tempo—oito meses e alguns discursos depois de Outubro, segundo a Universidade Católica, especialista em inflaccionar intenções de voto no PS, Costa desceu para 37% e a coligação de lázaros subiu para 38%. Um sucesso retumbante!
Se as coisas correrem bem, nas eleições vai ser pior. Costa tem de fazer como Jerónimo e arranjar uma afonia salvadora. E talvez pedir a Seguro para lhe dar uma mão. Se bem conheço Tozé, é homem para o fazer e convencer Costa a estar calado.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário