domingo, 21 de junho de 2015

NEM SANTO AGOSTINHO !

.
Falei ontem "de raspão" no livro de Julian Barbour The End of Time. Não quero "pregar secas" a ninguém a mastigar conversas sobre o tempo. Podia ficar  pela lengalenga  do tempo que perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem e o tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem, mas a coisa cheira a chachada e não vale a pena gastar bits com ela.
Contudo, apetece-me deixar aos leitores (putativos!) um parágrafo da introdução do livro. Reza assim:

Nada é mais misterioso e ilusório que o tempo. Parece ser a mais poderosa força do universo, transportando-nos inexoravelmente do nascimento  à morte. Mas o que é o tempo, exactamente? Santo Agostinho, que morreu em 430 AD, resumiu a questão: "Se ninguém me pergunta o que é o tempo, sei o que é; mas se alguém pergunta, não sei responder". Todos concordamos que está associado com mudança, crescimento e senescência, mas é mais que isso. As interrogações são muitas. Move-se em frente, trazendo um presente sempre a mudar? O passado ainda existe? Onde está ? O futuro é pré-determinado e, sentado,  espera por nós, embora não saibamos o que é? Todas essas perguntas são abordadas neste livro, mas a mais importante é a que Santo Agostinho não sabia responder: o que é o tempo?

E posto isto, acabou a conversa sobre o tempo porque ninguém está interessado em saber o que é. E, para me aliviar, vale mais dar uma volta em Belém.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário