sábado, 20 de junho de 2015

O TEMPO PERGUNTOU AO TEMPO . . .

.
.
Provavelmente, como o papagaio do vídeo, já falou muitas vezes da rapidez com que o tempo passa, do tempo que qualquer obra gasta, da falta de tempo, ou do correr do tempo, afirmando implicitamente que o tempo tem movimento. Mas o tempo é uma realidade estática—não anda, não pára, não corre. É possível que nem sequer exista. É uma criação da mente humana, um contexto onde metemos tudo o que acontece e até o que não acontece. Um viés mental de que dificilmente nos apercebemos. Já se lembrou que o tempo em que está a ler esta pessegada é exactamente o mesmo do patego que está agora a cortar as unhas dos pés em Sidney, na Austrália, e do Nóvoa que concebe mais uma jóia oratória? Os factos ocorrem e sucedem-se, mais nada.
Julian Barbour, céptico do tempo, escreveu um livro chamado The End of Time onde afirma, preto no branco, que o tempo não existe. Tudo que há, diz, são momentos sucessivos como as páginas duma agenda. Nada os liga a não ser a ilusão criada por nós a que chamamos tempo. O tempo é uma muleta mental de adaptação à realidade que não percebemos, nem bem nem mal—não percebemos, tout court. Os factos ocorrem e movem-se mas o tempo está parado. Será?
Não interessa isso. Veja o vídeo que é bem interessante, embora demasiado rápido. Pode ler apenas as legendas—o que é suficiente—ou pará-lo para ver as imagens. E, quanto ao tempo existir ou não, cague nisso.
..

Sem comentários:

Publicar um comentário