terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

SEGREDOS DA NATUREZA

.
Quase todas as espécies animais conhecidas têm aproximadamente o mesmo número de seres do sexo masculino e feminino: não exactamente, mas próximo disso. Não se verifica, por exemplo, a ocorrência de 30% dum sexo e 70% do outro. Dir-se-á que é natural porque o sémen do macho tem metade dos espermatozóides com cromossoma X e outra metade com cromossomas Y e, pela lei das probabilidades, o resultado natural é esse. 
Contudo, o raciocínio é matemático e não biológico e, de acordo com o que sabemos sobre a evolução das espécies, há casos em que as coisas, aparentemente, deveriam ser diferentes. Por exemplo, as morsas têm a particularidade dos exemplares masculinos, na sua maior parte, morrerem virgens por ausência durante toda a vida de contactos sexuais com as fêmeas. É situação biologicamente aberrante porque pequena percentagem de seres do sexo masculino asseguram a sobrevivência da espécie, sendo a parte restante um peso inútil que consome recursos e não serve para nada em termos do interesse da população. Deveria haver qualquer coisa do tipo de 10% de machos reprodutores e 90% de fêmeas, chegando-se a tal proporção através de mecanismos de evolução capazes de eliminar os menos aptos, neste caso os não reprodutores. O raciocínio parece correcto mas não está. Porque, apesar dos não reprodutores não terem descendência, a característica não reprodutiva continua a manifestar-se nos descendentes dos reprodutores. Isto é, não fica claro que a ausência de capacidade de reprodução seja uma característica genética.
Especulando, os “estéreis” podem ter papel que nos escapa na sobrevivência da espécie, digo eu. Qualquer coisa do tipo da defesa colectiva, do suporte aos jovens e às fêmeas, da resistência às condições ambientais rigorosas, blá, blá, blá. Gostava de saber, mas não sei.

Sem comentários:

Publicar um comentário