domingo, 19 de fevereiro de 2012

VERY LARGE TELESCOPE

...
.
Conhecer o Universo é saber quem somos, como começámos, onde vivemos, e o que espera o nosso habitat no futuro longínquo. Alargar o horizonte cósmico é a prática mais eficaz para consciencializar a nossa dimensão. Além de que é intelectualmente fascinante, mesmo quando tratamos de coisas elementares.
Por exemplo, a estrela "Próxima do Centauro", assim chamada porque é a estrela mais próxima do Sol, e consequentemente de nós a seguir ao Sol, e porque está na constelação do Centauro, a 4,2 anos-luz. Descoberta em 1894 pelo astrónomo escocês Robert Ayton Innes, faz parte dum sistema estelar de três estrelas, sendo sistema estelar um conjunto de estrelas que orbitam em volta umas das outras.
Estrela de muito pouca massa, é sete vezes mais pequena que o Sol. Tem tão insignificante massa que por pouco não era suficiente para fazer a fusão do hidrogénio no seu interior. A temperatura na superfície é "apenas" de 3.000 graus, cerca de metade da do Sol. Por isso é muito menos brilhante: 1/150 quando comparada com ele.
Com 15% da massa do Sol, muito prequena consequentemente, pertence à categoria M das estrelas anãs brancas. Com metade da massa presente, seria já um objecto sub-estelar, ou seja, sem massa suficiente para fazer a fusão do hidrogénio em hélio, a que chamam os astrónomos uma anã castanha. Está na fronteira entre as anãs brancas e as anãs castanhas, ou seja, a caminhar para a morte, coisa de que os cientistas gostam muito pela quantidade de informação que retiram da observação destas situações.
Tudo isto é extraordinário e mais extraordinário é ter conseguido saber tais coisas e muito mais. O conhecimento astronómico actual é completamente de cair de cauda; e é minha convicção de que poucos imaginam o avanço feito nos últimos anos nesta área. Consegue-se, por exemplo, datar corpos celestes a muitos anos luz de distância, através do cáculo do decaimento do carbono feito aqui, nesta Terra onde moramos! Se não visse isto escrito em publicações sérias, não acreditava! Garanto!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário