terça-feira, 21 de março de 2017

EM ITÁLICO



[...] O PS não é um partido como o PCP e o BE, para quem a “rua” vale mais do que o voto. Mas muitos dos seus dirigentes nunca renegaram a velha cultura revolucionária jacobina, pouco presa a “formalidades”, nem se isolaram da esquerda radical. Nunca se coíbem de ameaçar com rupturas. Qualquer solução que não lhes agrade implica, assim, custos elevados para a estabilidade política. [...]

Rui Ramos in "Observador"
.

Sem comentários:

Publicar um comentário