quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

A FÉ É QUE NOS SALVA

.


Diz-se, ou dizem alguns, que a morte, e sobretudo o pós-morte, são o maior problema da Filosofia. Talvez sejam, mas não me parece. Passo a explicar porque digo tal.
No Século XIX, Pasteur concluiu, e bem, que um ser vivo só pode provir de outro ser vivo. Por outro lado, sabemos que a vida—na Terra pelo menos—tem poucos milhares de milhões de anos; logo teve princípio, diria La Palice. Princípio como, se não havia por definição outra vida para lhe dar vida? Aí está uma boa pergunta!
A resposta óbvia é que a vida se gerou a partir de material não vivo, isto é, um número grande de compostos químicos complexos organizou-se de modo sofisticado, de forma a constituir uma estrutura capaz de se multiplicar—chama-se a isto abiogénese, embora o nome não interesse. Provavelmente, ou quase de certeza, ou mesmo de certeza, foi uma base de ácido desoxirribonucleico (ADN, ou DNA na forma anglo-saxónica). E pronto, está resolvido o problema. Está? Não está!
Não está porque nunca se conseguiu encontrar em laboratório condições para isso acontecer, nem mesmo nos centros mais avançados da Biologia. E também não se vislumbram, no que se conhece da evolução do planeta, condições favoráveis ao fenómeno. E agora? Agora, não sabemos, prontes—entramos na matéria da fé.
Quem a tem, diz que foi Deus. Quem a não tem diz que não é por não sabermos agora como foi, que não foi. Empate técnico, diria. Quem souber desempatar, peça a palavra.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário