terça-feira, 26 de março de 2013

DEMÓCRITO & RUSSELL

.


Bertrand Russel disse um dia que Ciência é o que se conhece, Filosofia o que não se conhece. O dito cheira a boutade depreciativa, tosca e rasteira sobre a Filosofia. Não é.
Russel faz parte duma selecção de físicos quânticos que se distinguiram, ou distinguem, também na Filosofia, como Stephen Hawking, Steven Weinberg, Lisa Randall e outros. Aliás, não surpreende o facto porque se trata de gente muito próxima da origem e formação do cosmo, dos quais se pode dizer, parafraseando o título dum livro de Randall, que batem todos os dias à porta do Céu. É gente que caminha no fio da navalha, na posição exacta da linha de fronteira entre o conhecido e o desconhecido.
O que se considera consensualmente conhecido é património da Ciência embora, pela própria natureza desta, seja provisório e aberto à correcção. O que mora para lá desse património é desconhecido e objecto de especulação racional—ou seja, filosófica—mais fácil, convidativa e esclarecida para quem vive no reino do conhecimento científico. É assim a Filosofia moderna e, como tal ocupa-se do que não se sabe, nas palavras de Russell.
A questão do livre arbítrio, de que falei há dias, é um bom exemplo. O homem decide o seu comportamento livremente, ou é condicionado—parcialmente ou de todo—por factores genéticos e ambientais? Abordar um questão destas a partir da Filosofia clássica, ou da Religião, é perigoso, sem apoio de estudo genético, das neurociências, da Sociologia.
Receando  fazer afirmação arriscada, parece-me que deve ser a Ciência a coordenar a Filosofia, como começou no tempo embrionário das duas disciplinas, na antiga Grécia. A separação pacífica por mútuo acordo não ocorreu há muito tempo, mas vem-se revelando improdutiva. E a Ciência está a retomar o controlo filosófico, como convém.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário