sexta-feira, 22 de março de 2013

O VENTO QUE NÃO SE VÊ

.
.
O que faz andar o barco não é a vela enfunada, mas o vento que não se vê.
Platão

Platão ensinava que a alma é uma entidade imaterial que está para o corpo, incluindo o cérebro, como o capitão está para o navio. A pessoa seria a alma, com o corpo como instrumento de acção. Depois  da morte, os laços desapareciam: o corpo acabava e a alma, sendo indestrutível, persistia. É o dualismo. Segundo parece, as pessoas são dualistas estruturais. Quando pensam nelas, têm tendência de o fazer como se fossem  independentes do corpo, ou seja, o eu não o inclui instintivamente.
Aristóteles, discípulo de Platão, acreditava na alma, que conferia racionalidade ao homem. Contudo, com a morte e o fim da organização do corpo, a alma deixava de existir.
Hoje, a neurociência mostra que a actividade psíquica é fruto da função cerebral—consequentemente, racionalidade e alma serão diferentes para quem admite o que se chama alma. É uma qualidade/privilégio do homem que lhe confere a eternidade? Ou é apenas fruto do desejo inconsciente de não morrer, ou da negação de voltar ao nada? A resposta é exclusivamente matéria de fé.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário