segunda-feira, 25 de março de 2013

UM ROUBO ' TOUT COURT '

.

Jeroen Dijsselbloem, muito justamente com vergonha de mostrar a cara

As coisas são fáceis de resumir. Chipre, um pequeno País que nunca devia ter entrado na União Europeia, e ainda menos no Eurogrupocomo Portugalnão acompanha o passo da União e ainda menos do Eurogrupo, dominado pela besta teutónica.
Logo no início da jornada conjunta, dá sinais de estar a abafar—não tem caixa de ar para uma corrida daquelas. Na qualidade de membro dum grupo alegadamente solidário, pede auxílio aos companheiros, na esperança ingénua de que lhe vão dar a mão.
Não dão!
Pelo contrário, impõem-lhe uma série de medidas punitivas por ter mau comportamento que, aliás, já tinha e era conhecido quando foi admitido no clube alegadamente de gente séria e solidária. Afinal, a dita gente não é solidária e muito menos séria. É só gente a tentar tirar proveito do clube. Se assim não fosse, antes de admitir Chipre tinham confrontado o País com os seus vícios e dado um prazo para se emendar antes de o admitir no seu círculo. Em caso negativo, ficava de fora, muito justamente.
Mas não!
Chipre foi admitido com todos os seus vícios e, na primeira oportunidade, é devorado pelos parceiros supostamente solidários, afinal  hienas que se alimentam de carne podre. Ainda pior, com apetite devorador capaz de os levar a tomar medidas suficientes para acabar com a confiança no sistema bancário que levou séculos a construir e é indispensável à economia.
Uma lástima!
Coisa assim, só de gente medíocre do tipo Vítor Gaspar—agora entendo porque este fez carreira nos meandros da União Europeia. Não contentes com tanta burrice, e ainda maior sacanice, não dão uma para a caixa. Que digo eu?! Não dão uma décima, uma centésima, uma milésima para a caixa.
Cavalgaduras!
No meio do drama, surge a cavalgadura-mor, com um nome impronunciável, Ministro das Finanças da Holanda e Presidente do Conselho do Eurogrupo, com a cloaca no trombone a soprar que o modelo de resgate de Chipre ora adoptado pode servir a outras nações. Catita, não?
Difícil fazer pior!
Amanhã começa a corrida aos bancos da Europa e não só. É que, ao contrário do que diz o Primeiro-Ministro russo Medvedev, não está em curso o "roubo do roubado"—está em curso o roubo tout court.

Sem comentários:

Publicar um comentário