sexta-feira, 22 de março de 2013

DESPEDIMENTO COM JUSTA CAUSA

.
[...] A absoluta falta de vergonha de quem manda na RTP, neste caso singular, é paradigmática do que aconteceu ao país. Um indivíduo que fez o que fez, politicamente, passados escassos dois anos, volta de Paris, onde se encontra a estudar não se sabe bem o quê, sendo agora consultor de não se sabe exactamente o quê e ganhando a vida não se sabendo exactamente como, para intervir outra vez abertamente na política nacional e assim ganhar visibilidade e relevo político que de outra forma não conseguiria. Isto é um frete aberto, claro e obsceno.
A RTP, evidentemente, cedendo a solicitações externas porque não lembra ao careca convidar uma pessoa assim sem ser através de pressões diplomáticas da política nacional, convida o indivíduo que ainda não prestou qualquer conta do que fez ao país, para comentar a actualidade, com outro prócere destas andanças, sócio de capital da PLMJ (depois de ter sido sócio de indústria e ter alcançado o lugar após sair de um governo) e outro exemplo da falta de vergonha nacional erigida como paradigma de comportamento político.
Isto é demais. Quem convidou esta gente para comentar a política nacional devia ser despedido com a justíssima causa de ser incorrigível. Esta gente que nos afundou politica e economicamente não pode ser branqueada assim, sem mais e quem os convida para tal não tem a mínima noção da situação em que nos encontramos. [...]

In  "aportadaloja" (blog)
.

Sem comentários:

Publicar um comentário