segunda-feira, 18 de março de 2013

PROBLEMAS INTESTINAIS

.

Após o crash bancário de 2007-8, foi negociado na Europa um acordo para proteger os depositantes. Tal acordo tinha dois princípios. O primeiro era a garantia de que depósitos até 100.000 euros estavam sempre garantidos. O segundo a de que as perdas dos bancos eram exclusivamente suportadas pelos investidores nesses bancos, ou seja, pelos accionistas.
A doutrina e os princípios foram sagrados até ontem. Hoje ficámos a saber que uns peraltas da União Europeia— germânicos e não só—e do Fundo Monetário Internacional têm competência para cagar neles.
A pergunta é: quem se segue? Pode o Governador do Banco de Portugal vir dizer, com um sorriso nos lábios, que a situação "não é transponível para Portugal" e que "os portugueses podem estar tranquilos". Os cipriotas também estavam tranquilos anteontem. Hoje têm a fralda suja.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário