quinta-feira, 30 de maio de 2013

ABORTOS ASTRONÓMICOS

.

Repito-me, mas tal é próprio dos velhos—há pior, verbi gratia o Dr. Soares! Mas queria eu dizer, e isso é que interessa, as estrelas, quando morrem por esgotamento do hidrogénio, arrefecem, o núcleo colapsa pelo efeito da força da gravidade, a "casca" é expulsa em grande velocidade para o espaço, o show é deslumbrante e chama-se supernova que, afinal, é supervelha mas não interessa isso agora.  A pressão dentro do núcleo colapsado é medonha, pior que no Metro em hora de ponta, os electrões dos átomos são empurrados para dentro do núcleo, fundem-se com os protões e formam neutrões. Chama-se à cangalhada assim fabricada uma estrela de neutrões, prontes.
Tais estrelas têm movimento de rotação como a Terra, mas um nadinha mais rápido: podem girar à velocidade de  43.000 voltas por minuto, o que faz os dias passarem depressa—nem dá tempo para lavar os dentes! Algumas têm campos magnéticos fortíssimos, mil biliões de vezes mais forte que o da Terra—é obra! Quando são assim, chamam-se estrelas magnéticas, ou magnetares.
A pressão muito elevada no interior "mete" muita massa num pequeno volume. A gravidade é tanto maior quanto maior for a massa e menor o volume que ocupa. Nestas estrelas pode existir massa equivalente a 500 mil vezes a da Terra numa esfera com 20 km de diâmetro, menos que a distância de Lisboa a Cascais. O resultado é que uma colher de chá pesa ali, comparando com o nosso planeta,  cerca de mil milhões de toneladas. Imaginem quem consegue mexer o café!
Pois a fotografia aí em cima é dum aborto desses. É uma estrela de neutrões, magnética, que está na Constelação da Cassiopeia, a 10.000 anos/luz de nós—espero que lá continue—e se chama 1E 2259+586. Eh...Eh...Eh...: tem o nome que merece! Imagine o leitor que se chamava—o leitor, claro!—3G 4726+694, ou 7P 3742+888. Se fosse uma leitora, chamar-se-ia 9H 6439+875 F, para se saber que é do sexo feminino.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário