quarta-feira, 29 de maio de 2013

É PAU, É PEDRA, É O FIM DO CAMINHO . . .

.
Existimos porque uma série de factos inexplicavelmente concorrentes isso permitiram e permitem. Se o ritmo de fusão de protões dos núcleos de hidrogénio fosse mais célere no Sol, este ter-se-ia extinto antes da vida surgir na Terra e, consequentemente, não haveria vida inteligente—nem burra, quanto mais inteligente! Se o ritmo fosse mais lento, a produção de energia no Sol—e portanto a que chega à Terra—seria insuficiente para a ocorrência dos fenómenos bioquímicos que conduziram ao aparecimento de seres vivos. Se os protões—as sementes do hidrogénio formadas a seguir ao Big-Bang—não fossem estáveis, não haveria átomos, não haveria hidrogénio, não haveria hélio e não haveria outros átomos mais pesados de que somos formados, como o oxigénio, o carbono, o ferro e por aí fora.  O Sol é a fornalha que nos mantém vivos, sendo os átomos de hidrogénio a sua lenha e os de hélio as cinzas solares.
Os átomos de hidrogénio  formaram-se muito cedo na vida do universo e isso só foi possível porque havia protões e electrões e os neutrões vieram a seguir, a partir dos protões. E toda esta cangalhada nasceu porque havia quarks estáveis e bosões, agentes das forças indispensáveis à coesão das partículas, blá, blá, blá.
Por cálculos muito precisos e fundamentados—não por palpite, como Portas no vídeo aqui em baixo—sabemos que o Sol consumiu combustível correspondente a metade da sua vida,  ± 4,5 mil milhões de anos. O Senhor de La Plalice diria que, sendo assim, ainda vai durar ± 4,5 mil milhões de anos.
E depois? Depois, tudo leva a crer, kaput.
Dá que pensar isto. Não é que estivesse à espera de mais uns aninhos de Sol para assegurar mais  alguns também para mim—andarei lá perto, mas não chego lá. Mas, para os contemporâneos desse fenómeno catastrófico que se aproxima a passos largos, como vai ser?
Esclareço que, se houver pessoal por essa altura, ninguém assistirá ao falecimento da estrela. Antes dela se passar, já eles terão morrido porque o Sol terá crescido e chegado à órbita da Terra e, antes disso ainda, já os oceanos se terão evaporado, tudo terá sido grelhado em lume forte e o calor será pior que em Beja no Verão. Em resumo, o Homo sapiens—a suprema maravilha do universo, segundo ele—acaba.
Assim, sem mais nem menos?! 
Exactamente!!
Perguntar-se-á: "Mas então, qual foi o nosso papel?" Não sei responder, mas cheira-me a que foi papel de embrulho. Olhem para o pontinho branco, mesmo no meio da rodela azul da figura em cima e à esquerda, a Nebulosa do Anel, falada há dias aqui—aquele pontinho era uma estrela maior que o nosso bem amado Sol cuja figura  vai ser ainda mais triste! Uma lástima!
...

Sem comentários:

Publicar um comentário