sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

O QUE DIZEM OS OSSOS

.
.
Crânio com sinais inequívocos de violento traumatismo

O Programa das Nações Unidas Habitat (UN Habitat), prevê que o Homo sapiens será em breve uma espécie maioritariamente  urbana: 60% dos homens e mulheres viverão em cidades no ano 2030. Dez milénios de adaptação mudaram a nossa vida — de mais ou menos selvagens free-range, a citadinos. 
Em termos de evolução, trata-se de uma mudança de habitat feita às cegas e, para tentar perceber o que significa, restam-nos a História e as informações obtidas no estudo dos restos mortais do homem antigo.
Tal vai sendo feito, com algumas surpresas. Como exemplo — e por isso falo disto —, refira-se que dados recentes da avaliação de ossadas  mostram que a morte violenta era muito mais frequentes nos grupos free-range, equivalentes humanos à galinha pica-no-chão, que nos habitantes de comunidades precursoras da actual cidade.
É surpreendente porque o facto parece contrariar o que se verifica na actualidade, em que a violência aumenta em proporção directa à dimensão dos aglomerados populacionais. Pelo menos é a ideia que se tem; provavelmente errada.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário