quarta-feira, 26 de setembro de 2012

AINDA CHEIRA A ENXOFRE !

Está a decorrer a 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque. Em tal encontro, e também no Conselho de Segurança, tem acontecido de tudo um pouco ao longo da história da organização.
Em 1957, durante a discussão do problema de Caxemira no Conselho de Segurança, o delegado da União Indiana falou durante oito horas, ao fim da quais teve um colapso físico por exaustão. Menon, de seu nome, foi assistido num hospital, mas voltou e continuou a falar durante mais uma hora com assistência dum médico que controlava a pressão arterial. O recorde de Menon ainda não foi batido.


Em 1960, Fidel de Castro fez a estreia na reunião e, embora sem jogar no campeonato de Menon, falou quatro horas e meia, o maior discurso na Assembleia Geral até hoje. Nele disse a Kennedy que, se não fosse milionário, iletrado e ignorante, sabia que não se pode lutar contra os camponeses.
Em 1969, quando falava o delegado das Filipinas na Assembleia a atacar a União Soviética, Krushchev gritou: "Senhor Presidente, chame esse bajulador dos americanos à ordem", depois do que tirou um sapato e se manteve a martelar o tampo da bancada  com ele para não deixar ouvir o filipino.
Em 1960, quando se discutia o abate dum avião U2 sobre o território soviético, o embaixador americano Cabot Lodge exibiu um escudo dos Estados Unidos, oferecido pela "Soviet-American Friendship Society" à embaixada americana em Moscovo, donde retirou com uma pinça um minúsculo microfone escondido debaixo do bico da águia.
Em 2006, no dia seguinte à intervenção de Bush, Hugo Chavez, quando subiu ao púlpito, disse: "Ontem esteve aqui o demónio e ainda cheira a enxofre!"


E, em 2009, Kadafi propôs que o Conselho de Segurança fosse chamado Conselho do Terror. Nesse mesmo ano, protagonizou várias peripécias caricatas para montar uma tenda de beduíno em Nova Iorque, sendo repetidamente escorraçado, até conseguir fazê-lo no quintal de Donald Trump.
. .

Sem comentários:

Publicar um comentário