sábado, 29 de setembro de 2012

É FEITIO

.

Todos temos medo—medo de coisas que metem medo justificadamente e muito medo de coisas estúpidas que nos levam a comportamentos cujas consequências, essas sim, deviam fazer medo. Para esclarecer melhor a trapalhada, direi que é hoje comum o receio infundado das vacinas em geral, porque fazem aumentar a probabilidade de diabetes tipo 1, autismo, asma, blá, blá, blá, factos sem evidência científica; burrices em suma.
Porque receiam mais as pessoas a vacina do que a doença que ela previne? Porque as vacinas quase fizeram desaparecer a tosse convulsa, a poliomielite, o sarampo e por aí fora, o medo dessas doenças eclipsou-se porque são consideradas erradamente extintas e um hipotético risco da vacina domina a cena mental. Tal e qual.
Quando tive a subida honra de ser médico militar no ultramar, os soldados não tomavam os comprimidos para prevenir o paludismo porque acreditavam que eram destinados manhosamente a diminuir-lhes a líbido e manter a disciplina—mais do que um esteve às portas da morte com paludismo que poderia ter sido evitado provavelmente.
A isto acresce o facto de os riscos criados pelo homem serem mais temidos que os naturais. O cidadão conhece-se a si mesmo e, portanto, desconfia do próximo, está bom de ver. Antes a doença, que é natural, que a sacanice que, sendo natural, é humana também—pior que péssimo, diz a nossa privilegiada cabeça.
Somos assim, mas não é defeito: é feitio, dizem as neurociências—primeiro sentimos e só depois pensamos, quando pensamos. No estado evolutivo em que nos encontramos, as conexões dos centros das emoções com os da cognição são mais fortes e funcionam melhor nesse sentido que no inverso; logo, a inteligência tem papel mais débil que a emoção no comportamento. E isto não é especulação teórica; são factos comprovados pela experimentação. O mais possível. Assim, leitor que teve a pachorra de chegar até aqui, pense, literalmente pela sua saúde. Não se esconda do cachorro atrás do tigre.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário