domingo, 20 de outubro de 2013

RESPONSABILIZAÇÃO É PEDAGÓGICA

.

Em entrevista ao jornal "i", João Salgueiro diz a certa altura que vários economistas avisaram, ainda no século passado, o que toda a gente que tem de gerir as suas contas sabe: as pessoas não podem continuar a endividar-se todos os meses no banco. E nós andámos mais de dez anos a fingir que podíamos e até escondemos as dívidas, acrescenta.
Isto, que parece ser irrefutável, faz algumas pessoas que conhecemos torcerem o nariz, com o argumento depreciativo de que isso são "contas de dona de casa".  Salvo o devido respeito por essas cabeças, parece-me—a mim e a toda a gente com senso—que contas são contas e mais nada. Às vezes não são "de dona de casa" e o resultado está à vista.
Compreende-se  que o Estado não é um lar e precisa de investimentos para que não há dinheiro, circunstância em que, como as empresas, recorre ao crédito. Mas tal prática tem regras. Fazê-lo da maneira alarve como nos últimos anos, é inaceitável; matéria  do foro da Justiça, como aconteceu na Islândia.
Em Portugal, a impunidade é chocante. Tivemos um Primeiro-Ministro que em seis anos quase duplicou a dívida, para aplicações mais que discutíveis, e que é saudado por pessoas de quem se esperava mais recato. É pena, porque a chamada à responsabilidade, para responder por actos praticados, é pedagógica. Na Islândia, nos anos mais próximos, os governantes vão ser seguramente mais prudentes nos actos da governação.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário