quinta-feira, 31 de outubro de 2013

POLÍTICA LUSITANA

.

Finalmente, o Dr. Portas deu à luz, isto é, deu a conhecer o decantado guião da reforma do Estado. E o que diz o documento? Em boa verdade, nada que não tivesse sido dito antes—generalidades, intenções vagas, rebabá.
Esperava-se outra coisa? De forma nenhuma! Há décadas que o País é governado por navegação à vista, quando não é navegação estimada, por executivos alternantes, sem bússola e sem carta. Nunca existiu um projecto nacional assumido colectivamente. Nem vale a pena investir muito nisso porque o governo que vem a seguir se encarrega de mandar tudo às urtigas e começar de novo outra pessegada qualquer que tem o mesmo destino ao fim de uma legislatura, ou uma legislatura e dois quintos, três quartos, ou cinco sextos. Um fado!

E pelos políticos portugueses não vai nada? TUDO!...
.

Sem comentários:

Publicar um comentário