sábado, 19 de outubro de 2013

ESTÁ QUASE BEM

.
Anselmo Borges, na sua habitual página dos sábados no "Diário de Notícias", escreve hoje sobre ateísmo, agnosticismo e teísmo. A peça é interessante, embora contenha coisas discutíveis, segundo me parece.
Logo a abrir, e muito bem, diz: "A modernidade tem como característica fundamental a nova visão científica da realidade." Não posso estar mais de acordo. A visão literal da Bíblia está completamente démodé e só sobrevive em meios retrogradamente anacrónicos, sem ponta por onde se pegue. Por isso, Borges cita o teólogo Javier Monserrat que advoga a convocação de um Concílio para confrontar a fé com os novos dados trazidos pela ciência. Óptimo!
Mas o colunista avança depois na análise da matéria, começando por dizer que "Para a ciência actual, o universo todo, incluindo a consciência, produziu-se pelas propriedades ontológicas e dinâmicas da matéria que foi produzida no Big Bang com altíssima densidade e energia." Estou de acordo se retirarmos  as "propriedades ontológicas da matéria", que não são um dado adquirido e constituem parte das incógnitas do problema em análise. O mesmo se diz para a afirmação de que o mundo nos aparece ordenado finalisticamente, tratando-se de uma "ordem viva" e "ordem antrópica". Quem disse ao autor que a ordem do universo é antrópica? Como sabe que o homem não é um mero "acidente", resultado de evolução biológica aleatória?
Quando se discutem as três posições filosófico-religiosas em cima referidas—ateísmo, agnosticismo e teísmo—e se admite que todas são racionalmente aceitáveis, como justamente faz Anselmo Borges ao afirmar que "Perante um mundo obscuro e enigmático, tanto o ateísmo como o teísmo constituem uma "fé filosófica", uma "crença", não podemos usar convicções de uma dessas "fés filosóficas" para a apoiar, exactamente porque é uma fé, sem substracto científico sólido para tal.
Do mesmo modo, insiste mais adiante: Este universo é um "universo para a liberdade", a partir de um "desígnio para a liberdade" e, portanto, do "princípio antrópico cristão", embora não se imponha como inevitável a "solução divina". Volta ao princípio antrópico!
Não posso alongar-me mais, mas o escrito representa abertura bastante a novos pontos de vista religiosos. Ainda assim, continua inquinado por algumas "ideias feitas", de uma "fé filosófica" ou "crença", de que importava ser depurado.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário