sábado, 19 de outubro de 2013

ATIRAR A PRIMEIRA PEDRA

.

Inesperadamente, e de acordo com o "Washington Post", o Papa Francisco começa a incomodar. O conselho aos católicos para não se deixarem obcecar pela doutrina ou alguns dos seus aspectos, a relutância em julgar os homossexuais e a tolerância com os ateus, abala algumas consciências mais conservadoras e leva ao impensável da sua parte—criticar o Papa; literalmente, ser mais papista que o Papa.
Robert Royal, presidente do think tank de Washington "Faith & Reason",  diz que Francisco é um homem notável, mas tem dúvidas sobre se o seu modo de comunicar é o adequado. Significa isto, em minha opinião, o elogio da—e a opção pela—forma, em detrimento da clareza, da proximidade e do que me parece ser o espírito da religião em causa.
Estilos como o de João Paulo II, e sobretudo o de Bento XVI, para não recuar mais, estão fora de época. O seu prazo de validade caducou e são contraproducentes: afastaram-se da figura de  Cristo—que gostaria de Francisco, suspeito—e afastam os crentes.
Porquê atazanar a vida dos homossexuais, dos divorciados e dos ateus? Faria isso o Cristo da Bíblia? Suspeito que não. Francisco também não faz. Para uma mente generosa, tal é manifestação de superioridade moral; o resto é beatice.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário