sábado, 16 de fevereiro de 2013

CORONICA DO CONDESTABRE

.
.
Coronica do Condestabre de purtugal Nuno aluarez Pereyra principiador da casa q[ue] agora he do duque de Bragãça sem mudar da antiguidade de suas palauras nem stillo. E deste Condestabre procedem agora o Emperador e em todolos reynos de xpãos de Europa ou os reys ou rainhas delles ou ambos. - Lixboa : Germã Galharde, 6 d`Noue[m]bro 1526.
.
Crónica composta por autor anónimo após a morte do Condestável de D. João I, Nuno Álvares Pereira, em 1431. A versão mais antiga actualmente conservada é a de uma impressão realizada em Lisboa, em 1526. Este registo biográfico ocupa um lugar excepcional na historiografia portuguesa, enquanto composição de uma das primeiras crónicas particulares senhoriais, oferecendo uma imagem do Condestável como modelo edificante de herói cavaleiresco. A narração, quase testemunhal, dá voz às acções e à trama histórica, reduzindo ao mínimo o comentário do alcance político da narração e a evocação de elementos da vida privada do biografado, concentrando-se no panegírico de um herói que se distinguiu pela actividade militar. Esta crónica servirá de fonte principal a Fernão Lopes para a redacção da Crónica de D. Fernando e da Crónica de D. João I.

Crónica do Condestabre. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-02-17]


Sem comentários:

Publicar um comentário