segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

'IGREJA CARISMA E PODER'

.

Max Seckler, professor de Teologia e amigo próximo de Bento XVI, de acordo com o jornal "Daily Telegraph", terá dito: "Ele sofreu muito no desempenho das suas atribuições. É difícil imaginar as intrigas que teve de enfrentar em Roma. Coisas que o esmagavam porque é um teólogo e uma pessoa nobre. Sempre esteve preparado para passos corajosos e este foi um deles." E terá acrescentado que sempre se interrogou quanto tempo Ratzinger iria aguentar.
As palavras são de alguém que conhece o ambiente da Cúria. Desde que nasci, conheci seis papas. Sempre se ouviram insinuações de intriga, hipocrisia, sacanice ao mais alto nível na Cúria. As aparências para o exterior foram sempre guardadas, com pouco resultado mas foram.  Pela primeira vez é nítido o mal estar dum papa face à intrigalhada vigente no Vaticano—a homilia de Bento XVI na Quarta-Feira de Cinzas é disso a prova, além de testemunhos de gente ilustre próxima dele.
Os escritos de Leonardo Boff são textos que deviam merecer mais atenção. Joseph Ratzinger já deve estar arrependido de ter desencadeado um processo contra o teólogo quando dirigia a Congregação para a Doutrina da Fé—agora perceberá melhor do que falava Boff no célebre livro "Igreja, Carisma e Poder".
.

Sem comentários:

Publicar um comentário