quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

INSUSTENTÁVEL

.


O actual Governo precisa urgentemente de mudar: deve remodelar-se, adoptar nova prática, criar outra imagem, provavelmente tudo isso e mais alguma coisa. Tornou-se demasiado vulnerável  a manifestantes organizados em todo o  lugar onde os seus membros aparecem e tal só é possível quando o prestígio desce abaixo de zero—que é o caso. Não vem longe o dia em que um cidadão mais atrevido avança para um ministro e lhe prega um par de estalos—eventualmente merecidos, mas inadmissíveis—perante as câmaras da televisão.
O Relvas é uma das peças mais infelizes da instituição: sem condições para fazer o que quer que seja—e não faz de facto—é a personificação da imagem da "golpada" e da falta de senso, de vergonha e de auto-crítica. Como diz o professor Martelo, pessoa louvada por Relvas é pessoa enterrada (as palavras serão outras, mas a ideia é esta).
Por outro lado, temos um Primeiro-Ministro completamente cru e convencido que os grandes homens de Estado devem ser determinados, caminho mais que certo para a teimosia asinina na asneira.
Antes que a corda parta, bem melhor seria que a esticassem menos. Temos que aturar a troika, é verdade. Mas há mais de cem maneiras de cozinhar bacalhau.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário