quarta-feira, 29 de julho de 2015

VACINAS

.
 .
Em 1975, Álvaro Cunhal, em resposta à pergunta da jornalista italiana Oriana Fallaci sobre o que ele entendia por democracia, respondeu assim: Não certamente o que vocês, os pluralistas, entendem. Para mim, democracia significa liquidar o capitalismo e os monopólios. E ainda lhe digo mais: Portugal já não tem qualquer hipótese de estabelecer uma democracia ao estilo das que vocês têm na Europa ocidental. Garanto-lhe que em Portugal não haverá um parlamento. Não queremos uma democracia como a vossa. Portugal não será um país com as liberdades democráticas e os monopólios. Não será companheiro de viagem das vossas democracias burguesas. Porque não o permitiremos. Talvez voltemos a ter um Portugal fascista (ainda que eu não acredite nisso). Mas seguramente que não teremos um Portugal social-democrata. Jamais. Deixei isso bem claro?
Em conformidade, o PCP actual, herdeiro do social-fascismo de Cunhal, não participa em governos de coligação da democracia burguesa. Ou toma de assalto o poder e acaba com ela, como fez a seguir ao 25 barra 4, ou fica na oposição, a chatear o pagode burguês na Assembleia da República e nos sindicatos.
Cunhal era um sacana e um cágado que sabia muito. O mesmo não se pode dizer de Tsipras e do seu inenarrável Syriza. Os gregos pregaram-lhes uma bela partida ao elegê-los, com maioria absoluta ou quase, há meio ano. Tsipras estava a fazer peito para ficar com numerosa bancada no Parlamento a chatear o pagode burguês, mas o tiro saiu pela culatra: meteram-lhe a criança nos braços.
Depois de ene borradas em casa e em Bruxelas, acolitado pelo sinistro Facas, acabou a governar, ou melhor dizendo, a pensar que governa, apoiado pelos partidos burgueses, coisa ridícula para um radical como ele.
Tsipras já aprendeu que na prática a teoria é outra e anda morto por descalçar as botas que os gregos lhe enfiaram nos pés. Só não dá de frosques porque tem vergonha; mas a senhora sua mãe diz aos jornalista que o filho come mal e dorme pior ainda.
Hoje, Tsipras anunciou ao planeta azul: "Se não tivermos maioria no Parlamento, seremos forçados a eleições". Era bom, mas espero que os gregos o elejam novamente com maioria absoluta. O sacana do Kissinger, na altura do PREC em Portugal, dizia a quem o queria ouvir que o Cunhal era uma coisa boa porque funcionava como vacina para o resto da Europa. Tal e qual como Tsipras—tão cedo, nunca mais é eleita uma coisa assim em parte nenhuma do mundofora do Burkina Faso, do Burundi e da República Centro-Africana.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário