sexta-feira, 31 de julho de 2015

INSTINTO DA IMORTALIDADE

.

Académicos de Teologia e Biologia têm há séculos procurado resposta, em textos religiosos, ensaios filosóficos e, mais recentemente, na anatomia e na biologia da morte para a seguinte questão: O que acontece às pessoas depois de morrerem? Vivem os mortos eternamente como espíritos? Ou as memórias pessoais, os sentimentos, desejos, objectivos acabam para sempre com a morte?
Há, aparentemente, um desejo instintivo de imortalidade que está para além da razão e não tem sequer a ver com a cultura. Há documentos arqueológicos comprovativos de que o homem moderno, há mais de 100 mil anos, muito antes da civilização, sepultava os mortos juntamente ossos de animais e conchas, o que parece apontar para preocupação com a situação pós morte.
Há o argumento do terror do fim para cuja mitigação contribuirá a crença na vida depois da morte, mecanismo de aliviar o stress inerente.
Hoje há quem acredite que a convicção da vida pós morte é instintiva. Nasce com o homem e manifesta-se muito cedo, mesmo em crianças—muito longe do horizonte final—sem qualquer influência da cultura ou da educação. É parte integrante da qualidade humana.
Esta é a síntese muito comprimida de um excelente artigo da psicóloga Natalie Emmons que pode ler aqui.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário