segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

SE UM ELEFANTE INCOMODA MUITA GENTE, UM PM ASSIM INCOMODA MUITA MAIS



Segundo as fontes contactadas pelo i, o sinal mais evidente de que já está em marcha um 'plano B' para um eventual "pós-Sócrates" foi o jantar que, na última semana, reuniu o presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado. Na ementa esteve a preocupação com a rápida degradação deste governo minoritário e, em particular, a perda de margem de manobra política de Sócrates. Uma situação que assume contornos ainda mais dramáticos face à situação de crise económica que o país atravessa e que colocou o défice e o endividamento externo português no centro das preocupações internacionais.


Isto lê-se no jornal i de hoje. A periclitante situação política, em fase do governo de Portugal precisar, mais que nunca, de credibilidade internacional para atamancar a crise financeira, exige que o PS diga sim ou sopas quanto antes. Se Sócrates não estivesse agarrado ao poder com unhas e dentes e tomasse a digna atitude de ir para a Covilhã assinar projectos dos colegas da Guarda, havia um PS que respiraria de alívio. Mas nem o Primeiro-Ministro “morre,” nem o PS almoça. E como a fome vai apertando, o partido lança apelos à oposição para lhe resolver o problema: uma moção de censura agora vinha mesmo a calhar – saída pouco rasca de Sócrates e entrada airosa dos que se sentem envergonhados com a performance do secretário-geral do partido.
Há alguma ironia nisto tudo. O menino de ouro transformou-se em pedra no sapato do PS.

Sem comentários:

Publicar um comentário