sábado, 23 de novembro de 2013

COM A FRALDA MOLHADA

.
Cavaco Silva  enviou a lei que lança novo imposto sobre o rendimento dos aposentados da função pública para o Tribunal Constitucional. A dúvida do Presidente é legítima porque tal lei configura negócio de cigano, sem ofensa para os ciganos. Estamos habituados a ouvir que o Estado é pessoa de bem e, afinal, sai-nos um trampolineiro—dá o dito por não dito e embrulha-se em explicações esfarrapadas sem ponta por onde pegar.
Não quer isto dizer que não se peçam sacrifícios a todos os portugueses, incluindo os reformados, para tapar os buracos que esse aventureiro socialista chamada Zezito abriu na Fazenda Nacional. Mas os sacrifícios devem ser para todos e não reservados aos que estão à mão e são mais fáceis de tosquiar. Indigna o facto de não haver equidade na austeridade. O cagaço com os ricos e poderosos provoca náuseas, mesmo aceitando que só eles não chegam para resolver o problema—em nome disso, não se lhes toca!
Do Tribunal Constitucional espera-se pouco. Depois de ter deixado passar a aberração da Contribuição Extraordinária de Solidariedade, ficámos esclarecidos. Mas, pelo menos, o Governo vai suar frio enquanto aguarda a decisão dos meritíssimos e das meritíssimas. Durante 25 dias, Passos Coelho vai andar com a fralda molhada.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário